terça-feira, 20 de fevereiro de 2007

O JOVEM ALBERT EINSTEIN



Um professor de uma universidade desafiou seus alunos com a seguinte questão: "Deus criou todas as coisas que existem"?

Um aluno respondeu prontamente: "Sim! Ele criou".

Então o professor questionou: Se Deus criou todas as coisas, ele criou o mal; uma vez que o mal existe( como pode ser observado em suas manifestações) então Deus é o mal.

O aluno não pode respoder aquela afirmação levando o professor a concluir que tinha provado que a crença em Deus era um conto de fadas e por isso sem valor algum.

Um outro estudante levantou a mão e perguntou ao professor:

_Posso colocar uma questão? Certamente, respondeu o professor.

Então, o jovem estudande pôs-se de pé e perguntou:

_Mestre: o frio existe?

O professor replicou: " Que tipo de questão é esta... é claro que o frio existe, você nunca sentiu frio?"

O estudante respondeu: " De fato senhor o frio não existe. De acordo com as leis da física, o que nós consideramos frio, na realidade é ausência de calor. Qualquer coisa é capaz de ser estudada conquanto que ela transmita energia (calor).O zero absoluto é a total ausência de calor, mas o frio não existe. O que nós temos feito é criar um termo para descrever como nós nos sentimos se não temos calor no corpo ou se nós não estamos quentes.

_E a escuridão, existe? Continuou perguntando, o estudante.

_Claro que sim! Respondeu o professor.

O estudante respondeu: "Outra vez o senhor está errado! A escuridão também não existe. A escuridão é a ausência de luz. A luz pode ser estudada, a escuridão, não! A escuridão não pode ser dividida. Um simples raio de luz rompe a escuridão e ilumina onde ele bate. Escuridão é um termo que nós humanos criamos apenas para descrever o que acontece quando há falta de luz.

Por fim, o estudante perguntou ao professor: Senhor, o mal existe?

_Naturalmente, que ele existe. Replicou o professor. Como já mencionei no início, nós temos visto violações, crimes e violência em todo lugar do mundo, e essas coisas são o mal.

Então o estudante disse: "mestre, o mal não existe! Assim como nos casos anteriores, mal também é um termo criado para descrever o resultado da falta da presença de Deus nos corações dos homens".

Depois disso, o professor não respondeu mais.

O nome do jovem estudante era ALBERT EINSTEIN.

---------------------------------------------------------------

Viu?

Se Einstein, o maior cientista do século XX, e talvez de todos os séculos, não se envergonhava de ser crente em Deus, o Yaveh da Bíblia, não sei porque ainda tem gente duvidando da existência dEle.


cruzue@gmail.com

Map IP Address

Powered byIP2Location.com

.

3 comentários:

Anônimo disse...

Que rídiculo!Eintein nunca acreidtou num deus bíblico.
Só pra vcs não usarem indevidamente o nome dele:
"Não consigo conceber um deus pessoal que influa diretamente sobre as ações de indivíduos por ele criados."

"Parece-me que a idéia de um deus pessoal numa concepção antropomórfica não pode ser levada a sério. Sinto que não sou capaz de imaginar alguma vontade ou meta, fora da esfera humana. Minhas opiniões são próximas as de Spinoza: admiração pela beleza e crente na simplicidade lógica da ordem harmoniosa a qual podemos humildemente entender, mas só imperfeitamente. "

Bom, o deísmo de Eisntein é cósmico. Ele nunca acreditou em um deus pessoal e sempre fez questão de deixar isso claro. A sua religiosidade era a ilimitada admiração pela estrutura do mundo, na medida em que a Ciência é capaz de revelá-la.
Ele disse:
"Acredito no deus de Spinoza, que se revela por si mesmo na harmonia de tudo que existe, e não no deus que se interessa pela sorte e pelas ações dos homens".
Para ele deus seria a imensidão cósmica, a integralidade do que existe, e não um ser mitilógico que ficaria sentado num trono brincando com, as pessoas como se fossem marionetes.

ericshy@ymail.com

João Cruzué disse...

.


Ericshy

Agradeço sua visita, sua leitura e foi uma honra receber seus comentários.

Einstein é um mito.

Sei sobre as referências de Baruch Espinoza. Também já li tudo o que você comentou.

Contunto são dois momentos diferentes. Um Einstein jovem e um Einstein velho.

Eu não posso dizer que os comentários que você coletou não inverdades. E você não pode dizer que a concepção que o Einstein maduro tinha de Deus foi a mesma ao longo de toda vida dele.

A Bíblia diz que a presunção leva o homem a dizer: Não há Deus.

Eu fico com o Einstein jovem.


.

Anônimo disse...

Lógico que ele acreditava em Deus... ele era judeu...¬¬